Esporte e FitnessMTBSpeed

Conheça 8 modalidades de ciclismo e suas diferenças

O ciclismo tem se destacado como uma das práticas esportivas mais populares no Brasil, atraindo adeptos pela sua versatilidade. É um esporte acessível para quase todos, desde que se tenha a capacidade física e motora para pedalar.

Apesar de muitos terem a bicicleta como parceira fiel nos momentos de diversão e mesmo aqueles que se aventuram em competições, existe uma lacuna de conhecimento sobre as variadas modalidades do ciclismo.

Diante disso, nosso objetivo é elucidar sobre 8 modalidades chave do ciclismo, destacando as diferenças cruciais entre elas. Continue conosco para esclarecer suas dúvidas e fazer de suas próximas pedaladas experiências ainda mais seguras e prazerosas.

1. CICLISMO DE ESTRADA

Ciclista praticando em uma estrada

O ciclismo de estrada talvez seja uma das modalidades do ciclismo mais praticada, sendo que algumas das competições mais famosas desse esporte em todo o planeta são realizadas nesse estilo.

Os campeonatos de estrada são disputados de maneira individual ou por equipe, sendo que existem dois estilos de competição, o de resistência e o de tempo. No primeiro, os competidores largam todos juntos e vence aquele que concluir o percurso primeiro, sendo que a distância das provas masculinas varia de 150 a 200 km, enquanto as provas femininas têm entre 60 e 100 km.

Já nas competições contra o tempo, os atletas largam em instantes diferentes, e o vencedor é o que concluir o trajeto total, que é de cerca de 40 km para os homens e 20 km para as mulheres, no menor tempo.

O ciclismo de estrada é praticado com as chamadas speeds, bicicletas que têm os pneus bastante finos e que são mais leves que as tradicionais, além de serem desenvolvidas com uma aerodinâmica que favorece o ganho de velocidade e estabilidade nas estradas.

2. MOUNTAIN BIKE (UMA DAS MODALIDADES DE CICLISMO MAIS EMOCIONANTES)

Ciclista montado em sua bike em uma montanha.

Praticar mountain bike é uma atividade indicada para quem tem espírito aventureiro, pois essa, entre tantas modalidades do ciclismo, proporciona momentos de muita emoção e manobras arriscadas. O mountain bike é dividido em vários estilos, entre eles:

  • Cross country
  • Freeride
  • Downhill
  • Trip Trail

Por ser disputado em uma pista de terra com subidas e descidas e, em alguns estilos, com obstáculos, esse tipo de ciclismo proporciona belas imagens e deixa os espectadores dos campeonatos encantados.

No mountain bike, existem competições em que os atletas fazem a largada juntos e o vencedor é aquele que cruza primeiro a linha de chegada, e outras em que cada atleta corre sozinho e a vitória fica com o que realizar em menos tempo o percurso, que é bastante variável segundo cada campeonato.

A prática dessa modalidade demanda o uso de bicicletas resistentes e com os pneus mais largos, pois isso é crucial para que os atletas mantenham a estabilidade nos terrenos acidentados.

3. BMX (BICICROSS)

Reconhecido como uma das modalidades do ciclismo que mais exige habilidade por parte dos atletas, o BMX também proporciona manobras espetaculares.

Esse tipo de ciclismo, que é praticado com bicicletas que têm pneus menores — geralmente, apenas 20 polegadas de diâmetro —, é dividido em dois estilos, BMX Racing (corrida) e BMX Freestyle (manobras).

No primeiro caso, os competidores disputam uma corrida em uma pista circular com diversos obstáculos e o vencedor é aquele que concluir o percurso primeiro. As distâncias percorridas nas competições dessa modalidade são pequenas, variam entre 300 e 400 metros, e os atletas completam o trajeto em cerca de 40 segundos.

Já no BMX Freestyle, o objetivo é fazer manobras radicais, sendo que o vencedor é aquele que conseguir as notas mais altas na avaliação dos juízes.

4. Ciclismo de pista

Com os primeiros registros no início de 1870, o ciclismo de pista surgiu através de atletas que disputavam essa modalidade em locais fechados, que são conhecidos hoje em dia como velódromos.

Mas, somente em 1885 que o primeiro campeonato mundial foi realizado, derivando na inserção dessa modalidade de ciclismo nas olímpiadas de 1886, em Atenas.

Desde então, o ciclismo de pista esteve presente em todas as edições das olimpíadas seguintes, exceto em 1912, em Estocolmo. Nesse ano, somente ciclistas voltados às estradas participaram dessa competição.

A participação de mulheres nessa modalidade de ciclismo demorou a se fazer, isso porque foi mais de um século para que houvesse a participação delas. Isso aconteceu em 1988, em Seul, a capital da Coréia do Sul.

O objetivo dessa modalidade é alcançar uma velocidade superior ao de seus concorrentes, por isso, é preciso que os ciclistas se dediquem fortemente nos treinamentos, principalmente com exercícios que melhorem a performance no velódromo.

Um ponto positivo do ciclismo de pista é que, independente do tempo, as provas são realizadas de qualquer forma, afinal, o seu ambiente é totalmente coberto. E os ciclistas podem contar com a participação de torcidas organizadas para o incentivo.

E para obter ótimos resultados nas provas, as bikes são importantes, por isso, existe uma especificação muito clara sobre os modelos. Por exemplo, nesses modelos de bike, não já freios e marchas no corpo, porque ela precisa ser extremamente leve.

Além disso, os freios podem causar danos graves se forem acionados quando os atletas estiverem em altas velocidades.

Dentre as diversas modalidades de ciclismo, outro fator que diferencia o ciclismo de pista é a divisão de suas próprias vertentes, que são cinco provas com regras específicas. Vamos conhecer um pouco sobre cada uma delas a seguir:

Velocidade ou sprint

Dois ciclistas precisam percorrer uma distância de 1km em uma pista de madeira e o vencedor é aquele que concluir o percurso inteiro primeiro.

Para esse caso, o início da prova é feito de forma lenta, assim, existe a oportunidade do ciclista que obtiver a melhor arrancada conquistar a prova.

Perseguição por equipes

Nesse estilo, uma equipe com quatro ciclistas precisa percorrer 4km e a largada é feita em lados opostos. Para isso, é preciso que três, entre os quatros, cheguem ao final do percurso, já que o tempo passa a ser contato pela roda do terceiro competidor.

O grupo vencedor será aquele que tiver uma melhor performance na pista, conseguindo assim, pedalar todo o percurso no menor tempo.

Velocidade por equipes ou Team Sprint

Aqui, duas equipes participam da prova e a largada é feita em lados contrários do velódromo. Na modalidade feminina é preciso duas participantes para percorrer duas voltas lado a lado. Na masculina, são três ciclistas e três voltas.

Ganha a equipe que fizer todo o percurso no menor tempo possível. Ou seja, a velocidade dos competidores precisa manter estável durante o trajeto todo, exigindo um ótimo desempenho físico.

Keirin

Seis ciclistas devem percorrer orientados por uma motocicleta a 30km/h, terminando o circuito aos 50km/h. No caso, os competidores não podem cruzar a moto enquanto ela estiver na pista.

Ou seja, só é possível disputar a chegada nos últimos 700 metros, que é quando a motocicleta se retira da pista e os ciclistas podem aumentar sua velocidade e cruzar a linha de chegada em primeiro.

Omnium

O único estilo no formato de pontuação, essa modalidade ocorre de forma individual e são provas intensas, que exige bastante do atleta. Ao total, são seis provas que valem pontos para os atletas.

Veja como elas funcionam

  • Scratch: quando dada a largada, vários ciclistas devem competir pelo primeiro lugar. A distância para os homens é de 15km e para as mulheres 10km.
  • Perseguição individual: dois atletas em direções opostas saem na pista e ganha aquele que fizer as distâncias estipuladas no menor tempo. Para as mulheres, o percurso é de 3 km e dos homens 4 km.
  • Eliminação: Dada a largada, os competidores realizam um circuito de velocidade e a cada duas voltas, um atleta será eliminado.
  • Contrarrelógio: Como o próprio nome já diz, ganha o competidor que fizer o trajeto em menor tempo. Para os homens, a distância é de 1km e para as mulheres, 500m.
  • Flying Lap: Parecido com o modelo anterior, o trajeto começa a ser contado no relógio quando o competidor já está em movimento e vence quem correr a distância no menor tempo.
  • Corrida por pontos: A prova mais complexa do percurso todo, onde, a cada dez voltas, um sino toca. Quando isso acontece, os atletas que cruzarem a linha de chegada ganham cinco, três, dois e um ponto (primeiro, segundo, terceiro e quarto, respectivamente). O vencedor será aquele que somar mais pontos.

5. Downhill

Essa, entre as modalidades do ciclismo, é um esporte de velocidade, ou seja, sairá vitorioso da competição o atleta que fizer o percurso no menor tempo possível. Os trajetos variam a distância, mas o mais comum é de 4km, percorrido em altas velocidades, podendo os atletas chegarem até 80km/h.

Por isso, essa é uma das modalidades que reúne milhares de fãs todos os anos e um dos mais conhecidos no mundo.

As etapas são realizadas a partir de duas descidas para cada participante e são de tirar o fôlego e muita adrenalina. O vencedor será aquele que realizar o melhor tempo entre as descidas.

Esse estilo é praticado de forma individual e possuem intervalos durante as provas, de 30 segundos até 2 minutos. As regras da prova devem ser consideradas tendo o circuito como base principal.

6. Gravel

Das diversas modalidades do ciclismo, essa é muito semelhante ao ciclismo de estrada e moutain bike. O seu nome vem do inglês e a tradução para “Gravel” seria cascalho. Ou seja, o terreno é bem árduo, com diversos obstáculos.

Suas bicicletas precisam estar preparadas para terrenos mais acidentados, em trilhas e asfalto também. Por isso, a bike possui pneus largos e rodas mais altas, garantindo maior velocidades para as competições.

7. BMX (Bike Motocross)

Atleta praticando uma manobra de BMX

Mais uma das modalidades do ciclismo, esse é reconhecido como uma das modalidades de ciclismo que mais exige habilidade por parte dos atletas, o BMX também proporciona manobras espetaculares.

Esse tipo de ciclismo, que é praticado com bicicletas que têm pneus menores — geralmente, apenas 20 polegadas de diâmetro

O BMX chegou ao Brasil em 1978, quando o ciclista Orlando Camacho foi convidado pela marca Monark para chefiar a primeira equipe de BMX da América do Sul. Na mesma época, a empresa desenhou uma bicicleta exclusivamente dedicada à prática – que ganhou o nome de BMX.

A primeira pista montada no país foi no Guarujá, litoral de São Paulo, no mesmo ano. Em 1979, surgiu a primeira pista em São Paulo, na Marginal Pinheiros.

8. BMX estilo livre (freestyle)

A segunda vertente do BMX é o estilo freestyle. Criado na década de 70, essa modalidade não é realizada por disputas diretas, mas sim por um tempo de apresentação ou por números de voltas. Os atletas serão avaliados por diversas análises técnicas por juízes.

De todas as modalidades do ciclismo, essa é mais recente inserido nos jogos olímpicos, aparecendo pela primeira vez na última edição de Tóqui, em 2020 (realizada em 2021, devido à pandemia). Assim como no ciclismo de pista, existem seis vertentes dessa modalidade. Veja a seguir:

  • Flatland – Consiste no atleta realizar uma sequência de manobras solo, sem obstáculos, buscando em si próprio criatividade e equilíbrio para a realização das mesmas.
  • Dirt Jump – Nesse estilo, os ciclistas usam rampas de mateiras ou terras, com alturas e distâncias que variam, podendo ser única, double ou sequência, chamada de trails.
  • Street – Praticado nas ruas da cidade ou nas pistas públicas de street que simulam alguns obstáculos mais urbanos, como por exemplo, bancos, escadas, muretas, corrimões ou paredes inclinadas.
  • Vertical – Nesse modelo, é utilizado uma rampa no formato de um “U”, conhecido como half pipe, com alturas superiores de três metros de altura. Os atletas precisam buscar velocidade suficiente para atingir altura e executar manobras superiores a 2 metros.
  • Bowl – Com obstáculos em formato de piscina e inúmeros tipos de transições com alturas variadas, o atleta precisa executar manobras de borda, aéreo ou com poucas manobras e muitas transferências de linha no percurso.
  • Mini Rampa – A rampa de no máximo 1,9m, inferiores ao half pipe, com material composto em madeira ou concreto, consiste no ciclista executar manobras de borda e de aéreos.
  • Park – Praticado em um circuito com vários obstáculos, mais que as demais modalidades, como jump box, quarter pipe, wallrider, spiner entre outros obstáculos.

Vimos que existem diversas modalidades do ciclismo, uma mais interessante que a outra. E para cada estilo, existe uma bike diferente para a prática.

Mas, é importante ressaltar que, independentemente das modalidades do ciclismo a ser praticada, é fundamental fazer uma boa manutenção em sua bicicleta sempre que você perceber qualquer anormalidade.

Aproveite e pedale tranquilo com nossa cobertura completa do seguro Bike Registrada, simule agora!

Artigos relacionados
Esporte e FitnessMTB

Dominando as trilhas: Técnicas de pilotagem para MTB

Cada pedalada é uma mistura de adrenalina, liberdade e, claro, o desafio de dominar o terreno.
Leia mais
MTBNutriçãoPreparação e Prática

Energia para pedalar: Dicas essenciais de alimentação e hidratação para o MTB

A alimentação correta é o alicerce para qualquer ciclista de MTB que deseje melhorar seu…
Leia mais
AtletasEsporte e FitnessPreparação e PráticaTreinos

Como é treino do Henrique Avancini

Muitas vezes assistimos vídeos de campeonatos, onde o ciclista ao cruzar a linha de chegada, se…
Leia mais

7 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *